Pular para o conteúdo principal

Fragmentos Draconianos N9: As sementes de um futuro de Luz

 

Fazia três dias que estávamos procurando por aqueles Drakkars que, segundo um velho contato da Ordem de Sekhem, estavam escondidos próximo às cavernas em Ankh-Tawy. Long’er e eu já tínhamos olhado a região, mas não tínhamos ido até aquele lugar em especial.

– Sabe, Meresamun – chamou-me Long’er – Já faz cinco anos que estamos nessa jornada, semeando o conhecimento sobre a forma Imane, sobre as Mansões Lunares e, ainda, mesmo com o poder da Sela, não consigo vislumbrar um mundo próximo que seja próspero para os Drakkars.

Long’er, com aquela tal Sela da Eternidade, tinha o poder de ver o futuro e o passado e, claro, todas as opções que poderiam ser tomadas. Porém, mesmo com aquela bênção divina, o massacre do qual sobrevivêramos, onde muitos de nossos queridos amigos foram assassinados covardemente pelo Clã dos Protetores, tinha mexido profundamente com ela.

– Sabe do que eu sinto falta? – perguntei, tentando mudar seu foco para algo mais leve.

– Do quê? – ela sorriu.

– De vê-la usando as Garras de Sekhmet que nós lhe demos no dia de sua iniciação na Ordem de Sekhem.

– Eu as guardo com todo o carinho do mundo – disse Long’er – Mas, com o poder dos Sopros na forma de Terceira Grandeza, usá-las não faria sentido algum. Não existe Drakkar ou Protetor que possa me enfrentar. Por isso não preciso recorrer às minhas belíssimas Garras de Sekhmet – ela sorriu, tentando bajular as garras.

– Sinto falta da Rainha Leonesa... – comentei, lembrando-me de minha mestra.

Nós estávamos nos aproximando das cavernas enquanto Rá iniciava sua descida ao submundo. Assim, logo a noite estaria sobre nós e o calor escaldante daquele deserto se dissiparia.

– Tenho certeza de que a Rainha está bem... – disse Long’er – Mas, o que eu não entendo, é de como você abdicou da chance de usar a coroa dela, para vagar comigo pelo mundo.

– Abdicaria mil vezes mais – sorri, abraçando-a – Você é mais importante do que o poder da Rainha Leonesa.

Desde que fôramos salvas pela avó de Long’er, durante a guerra sangrenta contra os insurgentes Drakkars que enfrentaram o Grande Palácio dos Protetores, nós duas peregrinávamos pela Terra, juntas, como as melhores companheiras do mundo. Ela, depois de um tempo, finalmente cedeu ao seu coração e passou a demonstrar um carinho incomparável para comigo. E, eu, claro, não podia estar mais feliz.

– Veja – ela apontou para uma caverna – Acho que é lá...

– É o que parece... – comentei.

Seguimos em direção à caverna e nos aproximamos com cuidado. Não podíamos assustar os moradores do lugar, visto que poderiam fugir e nunca mais os acharíamos; pois muitas cavernas daquela região eram interligadas em um complexo emaranhado de túneis.

Entramos naquele lugar escuro e, depois de alguns minutos andando a esmo, ouvimos o som de conversa.

Seguimos pela escuridão, guiando-nos pelo som e, logo, avistamos o que parecia ser uma espécie de iluminação trêmula, como se fosse a luz de uma pequena tocha.

– Acho que tem gente ali – eu cochichei, apontando.

– Vamos devagar... – sussurrou Long’er.

Andamos mais um pouco até chegarmos a uma área mais larga e alta do interior da caverna, onde uma pequena família parecia fazer sua refeição à luz de uma simples tocha.

– Que a paz esteja com vocês... – disse, cumprimentando-os.

Eles se assustaram e se levantaram. O pai, mais velho, posicionou-se entre nós e sua família.

– Quem são vocês? – ele disse, nervoso e amedrontado – Nós só queremos paz. Não queremos problemas!

– Fiquem calmos – disse Long’er – Meu nome é QingLong e eu sou uma Drakkar – ela iluminou seu olhos com o brilho azul de seu Elemento – E essa é Meresamun... – ela apontou para mim – Ela é uma das Leoas da Ordem de Sekhmet.

Ora, Long’er também o era.

– Você também... – ri.

– Uma Leoa! – disse a esposa daquele homem, vindo em minha direção e se prostrando.

A Ordem de Sekhmet, conhecidamente composta apenas pelo sexo feminino, era muito admirada por todas as mulheres das Terras Negras e, assim, o respeito daquela mãe de família era algo natural. Ela era também, no seu íntimo, uma Leoa ao seu próprio modo.

Assim nos fomos convidadas a nos juntar a eles para comer e, sabendo que encontraríamos Drakkars que, estando escondidos, estavam nas maiores dificuldades, levávamos muita comida e água conosco para ajudar.

Desse jeito, para a felicidade deles, pudemos fazer um banquete e, nele, Long’er explicou a cosmogonia Drakkar e como era possível se unir ao Todo, acessando poderes além da imaginação, como as Formas Imane e de Primeira Grandeza.

Aquele era o nosso jeito de semear um conhecimento que, agora secreto, era estritamente proibido pelo Grande Palácio dos Protetores; cujas mestras, das quais a avó de Long’er já não fazia mais parte, ordenavam a caça e a execução de qualquer Drakkar que procurasse ou disseminasse aquele conhecimento.

Segundo nosso propósito, Long’er e eu viajávamos pelas mais diversas terras, visitando os mais estranhos povos e, claro, vivendo nossa vida, tentando nos divertir e nos apreciar como pudéssemos. Afinal, ao contrário dela, meu tempo no mundo era finito e eu precisava fazê-lo valer a pena.

 

 

A Saga Draconiana – Fragmentos Draconianos

TAGS: Dragão, Dragões, Fantasia, Literatura Fantástica, Drakkar

A. G. Olyver

 


Leia Mais...

A Saga Draconiana encerra o Arco de Sophie Dupont, depois de 7 anos.

  Depois de mais de sete anos, desde o lançamento de A Saga Draconiana – Sophie Dupont e o Drakkar de Prata , eis que se encerra o arco da história de Sophie Dupont, com o lançamento de A Saga Draconiana – Sophie Dupont e a Mãe dos Dragões . O arco, composto de três volumes, possui um total de mais de mil páginas, e conta a história de Sophie, uma menina adotada cuja vida é caótica, cheia de guinadas e desventuras; porém, em determinado momento, ela descobre que pertence a uma espécie única: Os Drakkars . Descendentes de humanos com os Antigos Lordes Dragões. O primeiro volume, chamado A Saga Draconiana – Sophie Dupont e o Drakkar de Prata foi lançado ainda em 2013, o que faz com que todo o arco tenha levado sete anos para ficar pronto. Um número bastante auspicioso, por assim dizer. E, por isso, é com muito carinho que trago hoje a notícia de que, finalmente, o livro A Saga Draconiana - Sophie Dupont e a Mãe dos Dragões já está disponível. Seja em Livro Impresso ou para Kindle

SORTEIO de KIT LITERÁRIO de A Saga Draconiana!

  ⚠️Alerta de SORTEIO!⚠️ Para comemorar o mês de aniversário do lançamento do meu primeiro livro, hoje venho realizar um sorteio incrível! Que tal ganhar um KIT LITERÁRIO contendo: -Trilogia física autografada de A Saga Draconiana; -Xícara personalizada (porque eu amo café!); -Marcadores de páginas metalizados autografados; -Marca texto personalizado; -Porta copos personalizados (porque eu também adoro um chopp!) Então se você quiser tentar a sorte e tentar ganhar esse KIT LITERÁRIO incrível é só cumprir as regras simples do sorteio e torcer para seu IG ser sorteado.  -Lembrando que teremos apenas um ganhador! R e g r a s: ➡️1° Curtir a foto oficial do sorteio (no meu Instagram ); ➡️2° Seguir o meu IG @agolyver ; ➡️3° Marcar um amigo por comentário quantas vezes quiser (lembrando que não vale repetir o amigo e nem marcar perfis fakes, de famosos, ou os que vocês não sigam). C h a n c e e x t r a: Quem compartilhar esse post no Stories e marcar o meu perfil @agolyver, tem direito a um

Fragmentos Draconianos N1: O Sopro Relâmpago

  Era uma afronta que eu, filho de uma das mais influentes famílias do meio Drakkar, não conseguisse dominar um Sopro de Classe B, como o Sopro Relâmpago . Aquilo era ridículo. Ser um Drakkar Azul era algo que impunha respeito e, não conseguir trazer aqueles relâmpagos para o plano físico na frente dos meus colegas, fez-me parecer um perdedor. – Maldita Margareth – resmunguei comigo mesmo – Com aquele risinho irônico só porque vai disputar a Graduação... – Charles!   – chamou-me Ferdinand, meu colega de quarto. Um Drakkar Verde, boa vida. – O que foi? – inquiri ríspido. Estava descontente comigo mesmo e não estava afim de conversas. – Viu a nova Drakkar? – ele perguntou – Linda. Cabelos platinados até as costas, olhos azuis como o oceano... Balancei a cabeça e segui em frente, ignorando-o. Ferdinand passava mais tempo paquerando as garotas do que se dedicando a estudar o Sangue Draconiano e a praticar os Sopros. Era um Drakkar de qualidade muito inferior e, claro, eu não