Pular para o conteúdo principal

Fragmentos Draconianos N8: Synch-up! Nós somos o (D)Lorem!

Tudo aquilo parecia ridículo. Uma das maiores empresas e agências musicais do mundo havia tido seu prédio completamente destruído por um incêndio e, pior que isso, da forma mais brutal possível: uma explosão que implodiu todo o local.

Fazia muitos anos que não tínhamos um ataque terrorista na Basileia e, pensar que aquilo tinha acontecido embaixo dos nossos narizes, com toda a tecnologia de rastreio possível, era, como eu disse, ridículo.

– Como pode? – ri, percebendo a música que começava a tocar na rádio.

Era de um grupo famoso. Aliás, um não; O grupo musical mais famoso do mundo na atualidade.

Chamado (D)Lorem, era composto por quatro garotas de vinte e poucos anos. Elas eram incríveis. Todos as adoravam quase como se fossem divindades, e se encantavam, não apenas com a beleza surreal e a voz hipnótica delas, mas com todo o conjunto da estética aplicada nas roupas e danças. Não havia um jovem adulto ou adolescente, fosse do gênero que fosse, que não conhecesse suas músicas. Mesmo eu, já mais velho, inspetor de polícia, apaixonado por jazz e blues, sabia cantar todas as suas músicas. Aquilo tudo graças à minha sobrinha que era uma fã apaixonada.

– Como pode... – suspirei estacionando o carro em frente ao departamento onde trabalhava, lotado de repórteres e emissoras de televisão do mundo todo; além de um mar de pessoas.

O que era mais ridículo do que um ataque terrorista na Basiléia, era já termos pegado os suspeitos e, mais que isso, parecendo uma piada, as quatro suspeitas de destruir o prédio da agência musical, chamada LRD, era o próprio grupo (D)Lorem. O qual, obviamente, era um dos grupos da agência em questão.

Com muito cuidado eu me esgueirei por aquela multidão que gritava e entrei no prédio do departamento de polícia.

– Elas já estão prontas? – perguntei ao policial da custódia, assim que cheguei à ante-sala de interrogatório.

– Sim, senhor. Elas estão as quatro lá dentro – ele respondeu.

Eu, com os arquivos que havia recebido logo que as prendemos em mãos, entrei na sala.

– Meu Deus... – murmurei para mim mesmo ao vê-las.

Quatro crianças. Quatro meninas que estavam no auge da carreira. Lindas e famosas. Com tudo o que todas as garotas e garotos mais sonhavam na vida. Elas estavam ali, como suspeitas de destruir um prédio inteiro, de onde os bombeiros ainda tiravam corpos. Aquilo não deveria ser verdade, mas trabalhando a tanto tempo naquele mundo, eu já havia aprendido a acreditar no impossível e no lado mais sombrio do ser humano.

– Bom dia... – disse, sentando-me em frente delas, colocando a pasta de arquivos na mesa.

As quatro estavam visivelmente assustadas e contidas, quase como se estivessem com vergonha.

Sinalizei para que o guarda da custódia removesse as algemas. Aquelas quatro crianças não me pareciam perigosas suficiente para estarem algemadas naquele momento. Já estavam presas e, mais que isso, pareciam estar em choque.

– Você é a Sera Bee – apontei para a loira de cabelos cortados nos ombros, todo picotado – Você é Nyala – apontei para a negra de longos cabelos crespos e volumosos – Você é a SeongJa – apontei para a asiática de cabelos pretos, lisos e compridos – E você... – apontei para a latina de cabelos negros e curtos até o pescoço – É a Puma. Acertei? – ri – Conheço todas vocês. Minha sobrinha... super fã.

Elas se olharam.

– Que, de fato... – abri os arquivos – São os nomes artísticos de... Sera Brown, Nyala Gyasi, Ahn Seong-Ja e Mariana Silva dos Santos.

Dos papeis eu tirei uma foto do prédio destruído, ainda em chamas, e joguei à sua frente. Queria ver sua reação.

– O que vocês podem me dizer disso? – inquiri.

Todas olharam e baixaram a cabeça. Estavam visivelmente nervosas. Porém, aquele nervosismo me mostrava mais do que os outros policiais tinham visto. Não parecia ser sobre culpa, ou medo de ir para a cadeia. Não... parecia mais sobre estar escondendo algo que não era diretamente ação delas. Estariam protegendo alguém? O verdadeiro culpado?

– Meninas... – eu me inclinei sobre a mesa em sua direção – Se vocês estão protegendo alguém... falem. O crime do qual estão sendo acusadas é o mais terrível que existe. Terrorismo... é pena de morte.

Havia anos que não usávamos a execução da pena de morte, pois não tínhamos mais ataques terroristas. Mas aquele caso havia chocado o mundo.

– Logo a polícia antiterrorismo estará aqui e... – eu suspirei fundo – Eles não vão ter piedade. Se tiverem algo para falar, precisa ser agora, enquanto ainda posso ajudar vocês. Por isso pergunto mais uma vez... estão protegendo alguém? Quem fez o ataque? – tentei convencê-las a falar.

Elas se olharam novamente.

– Nós... – resmungou Sera Bee.

– Não! – gritou a Puma.

– Não fomos nós... – disse Nyala.

As outras se espantaram com a iniciativa dela. Pelo visto era a última que esperavam dar nos dentes.

– Então quem foi? – perguntei, torcendo para tirar mais delas.

SeongJa pareceu ficar mais nervosa, arregalou os olhos e acenou com o queixo para trás de mim, dizendo:

– Foi ela...

Virei-me rapidamente e, antes de desmaiar com a pancada que tomei na cabeça, pude ver uma mulher alta, séria, de longos cabelos brancos e olhos azuis. E, segundos antes de perder completamente a consciência, pude ouvir:

– Vamos... vou levá-las até Brigit.

 

A Saga Draconiana – Fragmentos Draconianos

TAGS: Dragão, Dragões, Fantasia, Literatura Fantástica, Drakkar

A. G. Olyver

 


Leia Mais...

A Saga Draconiana encerra o Arco de Sophie Dupont, depois de 7 anos.

  Depois de mais de sete anos, desde o lançamento de A Saga Draconiana – Sophie Dupont e o Drakkar de Prata , eis que se encerra o arco da história de Sophie Dupont, com o lançamento de A Saga Draconiana – Sophie Dupont e a Mãe dos Dragões . O arco, composto de três volumes, possui um total de mais de mil páginas, e conta a história de Sophie, uma menina adotada cuja vida é caótica, cheia de guinadas e desventuras; porém, em determinado momento, ela descobre que pertence a uma espécie única: Os Drakkars . Descendentes de humanos com os Antigos Lordes Dragões. O primeiro volume, chamado A Saga Draconiana – Sophie Dupont e o Drakkar de Prata foi lançado ainda em 2013, o que faz com que todo o arco tenha levado sete anos para ficar pronto. Um número bastante auspicioso, por assim dizer. E, por isso, é com muito carinho que trago hoje a notícia de que, finalmente, o livro A Saga Draconiana - Sophie Dupont e a Mãe dos Dragões já está disponível. Seja em Livro Impresso ou para Kindle

SORTEIO de KIT LITERÁRIO de A Saga Draconiana!

  ⚠️Alerta de SORTEIO!⚠️ Para comemorar o mês de aniversário do lançamento do meu primeiro livro, hoje venho realizar um sorteio incrível! Que tal ganhar um KIT LITERÁRIO contendo: -Trilogia física autografada de A Saga Draconiana; -Xícara personalizada (porque eu amo café!); -Marcadores de páginas metalizados autografados; -Marca texto personalizado; -Porta copos personalizados (porque eu também adoro um chopp!) Então se você quiser tentar a sorte e tentar ganhar esse KIT LITERÁRIO incrível é só cumprir as regras simples do sorteio e torcer para seu IG ser sorteado.  -Lembrando que teremos apenas um ganhador! R e g r a s: ➡️1° Curtir a foto oficial do sorteio (no meu Instagram ); ➡️2° Seguir o meu IG @agolyver ; ➡️3° Marcar um amigo por comentário quantas vezes quiser (lembrando que não vale repetir o amigo e nem marcar perfis fakes, de famosos, ou os que vocês não sigam). C h a n c e e x t r a: Quem compartilhar esse post no Stories e marcar o meu perfil @agolyver, tem direito a um

Fragmentos Draconianos N1: O Sopro Relâmpago

  Era uma afronta que eu, filho de uma das mais influentes famílias do meio Drakkar, não conseguisse dominar um Sopro de Classe B, como o Sopro Relâmpago . Aquilo era ridículo. Ser um Drakkar Azul era algo que impunha respeito e, não conseguir trazer aqueles relâmpagos para o plano físico na frente dos meus colegas, fez-me parecer um perdedor. – Maldita Margareth – resmunguei comigo mesmo – Com aquele risinho irônico só porque vai disputar a Graduação... – Charles!   – chamou-me Ferdinand, meu colega de quarto. Um Drakkar Verde, boa vida. – O que foi? – inquiri ríspido. Estava descontente comigo mesmo e não estava afim de conversas. – Viu a nova Drakkar? – ele perguntou – Linda. Cabelos platinados até as costas, olhos azuis como o oceano... Balancei a cabeça e segui em frente, ignorando-o. Ferdinand passava mais tempo paquerando as garotas do que se dedicando a estudar o Sangue Draconiano e a praticar os Sopros. Era um Drakkar de qualidade muito inferior e, claro, eu não