Pular para o conteúdo principal

Fragmentos Draconianos N4: A Semente do Dao

 

Era claro que Li Yuan já tinha suas suspeitas de que eu fosse uma Drakkar e, mesmo sendo ele oficial de confiança e braço direito do Imperador Yang Tong, preferiu vir conversar comigo sobre os insurgentes que se espalhavam pela reunificada China.

Na época eu era uma das poucas mulheres que tinham a liberdade de aconselhar os ministros e oficiais do Imperador e, claro, muitos buscavam meus ensinamentos no topo do monte onde eu passava maior parte do tempo, em Contemplação.

– E então? O que eu posso fazer? – perguntou Li Yuan, esperando meu conselho.

Ele havia vindo me ver para saber a respeito dos muitos trabalhadores do campo que, ao invés de se unirem ao exército do Imperador para combater os insurgentes, preferiam mutilar seus próprios pés para não serem convocados. Eram, realmente, pés sortudos, por assim dizer.

– Meu caro Yuan – eu sorri, achando graça do que o afligia – Vocês que antes movimentaram milhares de soldados nas incursões para invadir o Reino de Goguryeo, agora convocam homens do campo para fazer um trabalho que seus próprios guerreiros não conseguem...

– Essas incursões ceifaram a vida da maioria dos nossos soldados. O Império quase ruiu... – ele suspirou envergonhado – Mas, mesmo assim, os camponeses devem obediência ao Imperador! – irritou-se.

– O ser humano deve obediência ao que ele acha que deve obediência – eu disse – A vida é um bem único e facilmente revogável. Não tenha por tolo o homem do campo que luta diariamente para viver enquanto vocês se banqueteiam em palácios revestidos de ouro.

– Isso é um ultraje! – ele se levantou esbravejando.

Atrás dele, sua escolta de cem homens levantou-se junto e pôs suas mãos nas espadas, ainda embainhadas.

Yuan era esquentado, mas não era estúpido de me enfrentar. Ele estava apenas irritado com sua impotência diante de um sério problema que recaía sobre suas costas. E, de fato, ele não fazia ideia dos terríveis momentos que viriam a frente e da queda do Império. Porém ele também não fazia ideia do quão importante ele seria para a China e para o nosso povo Han.

– Meu querido Yuan – eu me levantei ao tempo em que toda a escolta sacou suas espadas – Você percebe que este lugar onde está pisando já viu inúmeros Impérios subirem e caírem? É um lugar sagrado e eu estou aqui há tanto tempo quanto ele.

Yuan engoliu seco. Estava visivelmente nervoso.

– Você é um bom homem – continuei – E por isso vou mostrar uma única coisa a você e sua escolta, para que saiba que o que eu disser, é e sempre será para o bem do meu tão amado povo Han, e nossa tão preciosa casa.

Respirei fundo e fiz meu Hasta, Soprando o Sopro Trovão, fechando os céus sobre nós e fazendo com que os seus raios se revoltassem nas nuvens. E, de súbito, todos eles se jogaram por terra em desespero.

Puxei o violento raio do Sopro Trovão e, enquanto ele descia, Soprei o Sopro de Rapina e me movi velozmente por entre todos os seus soldados, golpeando um a um, para que não conseguissem se movimentar até que eu os liberasse. Então, ao retornar à frente deles, Soprei o Sopro Relâmpago contra o raio que descia e, com a explosão do choque brutal de ambos, fiz com que todos observassem o poder devastador de um Drakkar Azul.

Era claro que tudo aquilo era um espetáculo de luzes e sombras, para que ele, que seria o futuro Imperador da China, entendesse que, tudo o que eu dissesse como sua futura oficial conselheira, era para ser seguido à risca, para o bem de todos.

– Nos perdoe! – ele e sua escolta gritaram assim que os liberei – Nos perdoe Senhora QingLong! – jogaram o rosto contra o solo.

Desfiz o Sopro Trovão e logo todo o céu estava límpido novamente.

– Levantem-se todos – ordenei.

Todos obedeceram.

– Meu querido Yuan – eu me aproximei dele e acariciei seu rosto – Você será grande e muita beleza virá através de você e de suas escolhas. Vá e não force o povo a lutar uma guerra que não é deles. Esteja do lado dos mais simples e eles estarão do seu, no futuro que se aproxima.

Ele baixou sua cabeça e suspirou profundamente.

– Vou confiar, hoje e sempre, na sua sabedoria, Senhora QingLong – ele disse.

– Em sua próxima visita – eu disse – Traga seu filho Shimin, pois vou ensiná-lo. Ele terá grande sabedoria e vocês dois serão vertentes de luz e bondade por toda a nossa casa. Salvarão essa terra e pacificarão esses povos insurgentes. E aqui – eu abri os braços mostrando o lugar – Será o berço de um presente à humanidade.

– Obrigado Senhora QingLong – ele me cumprimentou unindo as mãos em frente de si, com a palma esquerda cobrindo o punho direito fechado, e reverenciando-me com a cabeça.

Yuan não fazia ideia de que trazia instintivamente consigo toda a sabedoria do equilíbrio, a qual, por muitos séculos, semeei entre nosso povo Han. O punho direito, representando o Sol, o pólo positivo, encontrava o punho esquerdo, que representava a Lua e o pólo negativo. A força e a filosofia, o duro e o macio, o alto e o baixo. Os opostos em total harmonia. Aquele equilíbrio trazia claridade e, de fato, na nossa escrita tradicional, bastava unir os caracteres de Sol e Lua para trazermos à tona todo o sentido de clareza, de iluminação.

Eu, como mulher, fazia o mesmo de forma contrária, cobrindo o meu punho esquerdo com minha palma direita. Os fluxos possuíam uma ordem e o equilíbrio é um processo de espelhamento.

– Vá em paz – disse cumprimentando-o.

Yuan partiu sem saber que aquele pequeno evento, do qual havíamos participado, há muito tinha sido orquestrado e organizado. Era necessário que ele se tornasse imperador e que seu filho aprendesse a filosofia que eu lhe transmitiria. Tudo aquilo era parte em um grande e complexo emaranhado de acontecimentos que levariam a um último evento importante...


A Saga Draconiana - Fragmentos Draconianos

TAGS: Dragão, Dragões, Fantasia, Literatura Fantástica, Drakkar

A. G. Olyver

Leia Mais...

A Saga Draconiana encerra o Arco de Sophie Dupont, depois de 7 anos.

  Depois de mais de sete anos, desde o lançamento de A Saga Draconiana – Sophie Dupont e o Drakkar de Prata , eis que se encerra o arco da história de Sophie Dupont, com o lançamento de A Saga Draconiana – Sophie Dupont e a Mãe dos Dragões . O arco, composto de três volumes, possui um total de mais de mil páginas, e conta a história de Sophie, uma menina adotada cuja vida é caótica, cheia de guinadas e desventuras; porém, em determinado momento, ela descobre que pertence a uma espécie única: Os Drakkars . Descendentes de humanos com os Antigos Lordes Dragões. O primeiro volume, chamado A Saga Draconiana – Sophie Dupont e o Drakkar de Prata foi lançado ainda em 2013, o que faz com que todo o arco tenha levado sete anos para ficar pronto. Um número bastante auspicioso, por assim dizer. E, por isso, é com muito carinho que trago hoje a notícia de que, finalmente, o livro A Saga Draconiana - Sophie Dupont e a Mãe dos Dragões já está disponível. Seja em Livro Impresso ou para Kindle

SORTEIO de KIT LITERÁRIO de A Saga Draconiana!

  ⚠️Alerta de SORTEIO!⚠️ Para comemorar o mês de aniversário do lançamento do meu primeiro livro, hoje venho realizar um sorteio incrível! Que tal ganhar um KIT LITERÁRIO contendo: -Trilogia física autografada de A Saga Draconiana; -Xícara personalizada (porque eu amo café!); -Marcadores de páginas metalizados autografados; -Marca texto personalizado; -Porta copos personalizados (porque eu também adoro um chopp!) Então se você quiser tentar a sorte e tentar ganhar esse KIT LITERÁRIO incrível é só cumprir as regras simples do sorteio e torcer para seu IG ser sorteado.  -Lembrando que teremos apenas um ganhador! R e g r a s: ➡️1° Curtir a foto oficial do sorteio (no meu Instagram ); ➡️2° Seguir o meu IG @agolyver ; ➡️3° Marcar um amigo por comentário quantas vezes quiser (lembrando que não vale repetir o amigo e nem marcar perfis fakes, de famosos, ou os que vocês não sigam). C h a n c e e x t r a: Quem compartilhar esse post no Stories e marcar o meu perfil @agolyver, tem direito a um

Fragmentos Draconianos N1: O Sopro Relâmpago

  Era uma afronta que eu, filho de uma das mais influentes famílias do meio Drakkar, não conseguisse dominar um Sopro de Classe B, como o Sopro Relâmpago . Aquilo era ridículo. Ser um Drakkar Azul era algo que impunha respeito e, não conseguir trazer aqueles relâmpagos para o plano físico na frente dos meus colegas, fez-me parecer um perdedor. – Maldita Margareth – resmunguei comigo mesmo – Com aquele risinho irônico só porque vai disputar a Graduação... – Charles!   – chamou-me Ferdinand, meu colega de quarto. Um Drakkar Verde, boa vida. – O que foi? – inquiri ríspido. Estava descontente comigo mesmo e não estava afim de conversas. – Viu a nova Drakkar? – ele perguntou – Linda. Cabelos platinados até as costas, olhos azuis como o oceano... Balancei a cabeça e segui em frente, ignorando-o. Ferdinand passava mais tempo paquerando as garotas do que se dedicando a estudar o Sangue Draconiano e a praticar os Sopros. Era um Drakkar de qualidade muito inferior e, claro, eu não