Pular para o conteúdo principal

Você faz isso pelos outros?


Quando publiquei meu primeiro livro oficialmente, por uma editora, foi como se uma certeza absoluta tivesse preenchido uma lacuna, uma dúvida que havia, sobre ser escritor. Inspirado a escrever desde cedo por Paulo Coelho, sempre primei em produzir textos que trouxessem algo de valor, algum ensinamento que tornasse a vida do leitor melhor, de alguma forma. Meu primeiro livro publicado não foi meu primeiro livro escrito, é claro. Dificilmente você vai conseguir na primeira. A vitória trata sobre persistir. E persistir não é insistir. Insistir é continuar a fazer a mesma coisa, mesmo não dando certo. Persistir é melhorar a coisa, quando não der certo, e tentar de novo. É evolução. 

Quando levei meu primeiro livro escrito para ser corrigido, tive o retorno de que aquela ali era a minha vida. Aquele era meu propósito: escrever. Então, se por um lado, o desejo de escrever nasceu da inspiração de Paulo Coelho, por outro, a certeza de que eu dedicaria minha vida a escrever veio do retorno elogiado do mestre Jeferson Giacomelli, grande colega escritor e conterrâneo, sobre meu primeiro livro.

Esses pequenos detalhes que indicam para você que está no caminho certo nem sempre são percebidos, pois a maioria espera sinais grandes, enormes, gritando que você deve seguir nessa direção. Mas a vida é feita de detalhes, é feita de pequenas sugestões e somente aqueles que estão conectados a ela de forma harmoniosa é que percebem essas indicações. Por isso, não se desespere se não conseguiu na primeira, ou na segunda, ou na terceira. A vitória está em melhorar e não desistir. Persistência é a palavra chave. 

E, uma dica simples, mas muito importante: tudo o que fizer, faça pela humanidade, faça pelo bem comum, pelos outros. Quando você se dedica a melhorar o mundo a sua volta, utilizando-se do seu talento, seja ele qual for, você é retribuído pela vida. Tudo o que você faz reflete em sua vida e por isso se diz que “o que se faz, volta”. Use seu talento para produzir felicidade no mundo e o mundo lhe agradecerá com felicidade. E não desista, persista. A vida nunca desiste de você.

Leia Mais...

A Saga Draconiana encerra o Arco de Sophie Dupont, depois de 7 anos.

  Depois de mais de sete anos, desde o lançamento de A Saga Draconiana – Sophie Dupont e o Drakkar de Prata , eis que se encerra o arco da história de Sophie Dupont, com o lançamento de A Saga Draconiana – Sophie Dupont e a Mãe dos Dragões . O arco, composto de três volumes, possui um total de mais de mil páginas, e conta a história de Sophie, uma menina adotada cuja vida é caótica, cheia de guinadas e desventuras; porém, em determinado momento, ela descobre que pertence a uma espécie única: Os Drakkars . Descendentes de humanos com os Antigos Lordes Dragões. O primeiro volume, chamado A Saga Draconiana – Sophie Dupont e o Drakkar de Prata foi lançado ainda em 2013, o que faz com que todo o arco tenha levado sete anos para ficar pronto. Um número bastante auspicioso, por assim dizer. E, por isso, é com muito carinho que trago hoje a notícia de que, finalmente, o livro A Saga Draconiana - Sophie Dupont e a Mãe dos Dragões já está disponível. Seja em Livro Impresso ou para Kindle

Você vai morrer. O que você está fazendo sobre isso?

Hoje estou a mais de 2 mil quilômetros de Montenegro, do ladinho de Cuiabá, no Mato Grosso. Nessa viagem de férias, enquanto conversava com um irmão de ofício, por assim dizer, surgiu a questão: “Se você sumisse hoje, a sua comunidade perceberia? Você faria falta?”. Em um primeiro momento, se você pensar e responder que não, pode ir por dois caminhos: o primeiro é o egoísta, pensando que a comunidade não lhe dá valor, não se importa com você; o segundo é o correto, pensando que você não está sendo útil o suficiente para essa comunidade ao ponto de ser sentida a sua falta quando você partir.  O que você tem feito hoje voltado à sua comunidade? O que você tem feito hoje que não é exclusivamente para melhorar a sua própria vida e, talvez, das pessoas da sua família? É muito fácil se indignar vendo a pobreza no continente africano, ou mesmo na Venezuela, onde uma cesta básica está custando 3 salários mínimos e as pessoas estão comendo lixo na rua; mas você se indigna com aquele mendig

Fragmentos Draconianos N1: O Sopro Relâmpago

  Era uma afronta que eu, filho de uma das mais influentes famílias do meio Drakkar, não conseguisse dominar um Sopro de Classe B, como o Sopro Relâmpago . Aquilo era ridículo. Ser um Drakkar Azul era algo que impunha respeito e, não conseguir trazer aqueles relâmpagos para o plano físico na frente dos meus colegas, fez-me parecer um perdedor. – Maldita Margareth – resmunguei comigo mesmo – Com aquele risinho irônico só porque vai disputar a Graduação... – Charles!   – chamou-me Ferdinand, meu colega de quarto. Um Drakkar Verde, boa vida. – O que foi? – inquiri ríspido. Estava descontente comigo mesmo e não estava afim de conversas. – Viu a nova Drakkar? – ele perguntou – Linda. Cabelos platinados até as costas, olhos azuis como o oceano... Balancei a cabeça e segui em frente, ignorando-o. Ferdinand passava mais tempo paquerando as garotas do que se dedicando a estudar o Sangue Draconiano e a praticar os Sopros. Era um Drakkar de qualidade muito inferior e, claro, eu não