Pular para o conteúdo principal

Você concorda?

Hoje, por alguns fatos e alguns comentários que li nas redes sociais, recordei das palavras de um grande amigo, um grande irmão. E, por isso, faço dele minhas palavras quando afirmo que concordo com esses comentários. Acho mesmo que lugar de mulher é na cozinha, servindo o homem; que negro deveria ter um subemprego porque é naturalmente menos inteligente que outras pessoas e jamais poderia ter um emprego de importância. Acho que homossexuais deveriam ser tratados como párias e ninguém deveria deixar seus filhos chegarem perto deles. 

Agora, se você leu o parágrafo acima e sentiu nojo, fico muito feliz por ter conseguido o mesmo impacto que esse meu amigo buscou quando disse algo semelhante. Tal como ele, nego-me a crer que pessoas de bem têm pensamentos tão sujos, mesquinhos e até mesmo violentos dessa forma como expus no parágrafo inicial. Entretanto, se você foi se empolgando com o início da leitura e concordando com aquelas atrocidades, é de você que eu vou manter meus futuros filhos bem longe. 

A vida é um presente de Deus e se manifesta de diversas formas, cores, sons, cheiros e toques. E tal como esse meu grande irmão propôs, não podemos nos limitar a gostar apenas daquilo que, repetindo-me, nossa limitada mente é capaz de entender. A vida se manifesta de forma diversificada e Deus está nela, pois Ele a projetou assim. Dizer que sua diversificação está errada é dizer que ele é um péssimo arquiteto, um péssimo criador. Não buscar entender a complexidade da criação Dele e viver conforme suas limitações é desperdiçar todo o trabalho que Deus teve ao criar você. Por isso, se você é uma pessoa que ama a vida de verdade e tem uma real religiosidade dentro de si, você tem a obrigação, aliás, a necessidade de fazer com que todas as pessoas, independente de qualquer diversidade física, sejam felizes. 

Enquanto você buscar dividir o ser humano, ao invés de uni-lo, você está fazendo o mal. E, fazendo o mal, você recebe o mal. Ninguém planta ventos e colhe flores. Por isso, busque compreender seu semelhante, amá-lo de verdade e vê-lo por dentro, pelo ser humano que ele é. Seja tolerante com o que não entende, e seja doce com todos, pois Deus está em tudo o que é vivo e qualquer atrocidade contra seu semelhante é uma atrocidade com você mesmo e com Deus; qualquer descaso com seu irmão é um descaso com você mesmo e com Deus. Por isso, seja melhor, seja humano.

Leia Mais...

A Saga Draconiana encerra o Arco de Sophie Dupont, depois de 7 anos.

  Depois de mais de sete anos, desde o lançamento de A Saga Draconiana – Sophie Dupont e o Drakkar de Prata , eis que se encerra o arco da história de Sophie Dupont, com o lançamento de A Saga Draconiana – Sophie Dupont e a Mãe dos Dragões . O arco, composto de três volumes, possui um total de mais de mil páginas, e conta a história de Sophie, uma menina adotada cuja vida é caótica, cheia de guinadas e desventuras; porém, em determinado momento, ela descobre que pertence a uma espécie única: Os Drakkars . Descendentes de humanos com os Antigos Lordes Dragões. O primeiro volume, chamado A Saga Draconiana – Sophie Dupont e o Drakkar de Prata foi lançado ainda em 2013, o que faz com que todo o arco tenha levado sete anos para ficar pronto. Um número bastante auspicioso, por assim dizer. E, por isso, é com muito carinho que trago hoje a notícia de que, finalmente, o livro A Saga Draconiana - Sophie Dupont e a Mãe dos Dragões já está disponível. Seja em Livro Impresso ou para Kindle

Você vai morrer. O que você está fazendo sobre isso?

Hoje estou a mais de 2 mil quilômetros de Montenegro, do ladinho de Cuiabá, no Mato Grosso. Nessa viagem de férias, enquanto conversava com um irmão de ofício, por assim dizer, surgiu a questão: “Se você sumisse hoje, a sua comunidade perceberia? Você faria falta?”. Em um primeiro momento, se você pensar e responder que não, pode ir por dois caminhos: o primeiro é o egoísta, pensando que a comunidade não lhe dá valor, não se importa com você; o segundo é o correto, pensando que você não está sendo útil o suficiente para essa comunidade ao ponto de ser sentida a sua falta quando você partir.  O que você tem feito hoje voltado à sua comunidade? O que você tem feito hoje que não é exclusivamente para melhorar a sua própria vida e, talvez, das pessoas da sua família? É muito fácil se indignar vendo a pobreza no continente africano, ou mesmo na Venezuela, onde uma cesta básica está custando 3 salários mínimos e as pessoas estão comendo lixo na rua; mas você se indigna com aquele mendig

Fragmentos Draconianos N1: O Sopro Relâmpago

  Era uma afronta que eu, filho de uma das mais influentes famílias do meio Drakkar, não conseguisse dominar um Sopro de Classe B, como o Sopro Relâmpago . Aquilo era ridículo. Ser um Drakkar Azul era algo que impunha respeito e, não conseguir trazer aqueles relâmpagos para o plano físico na frente dos meus colegas, fez-me parecer um perdedor. – Maldita Margareth – resmunguei comigo mesmo – Com aquele risinho irônico só porque vai disputar a Graduação... – Charles!   – chamou-me Ferdinand, meu colega de quarto. Um Drakkar Verde, boa vida. – O que foi? – inquiri ríspido. Estava descontente comigo mesmo e não estava afim de conversas. – Viu a nova Drakkar? – ele perguntou – Linda. Cabelos platinados até as costas, olhos azuis como o oceano... Balancei a cabeça e segui em frente, ignorando-o. Ferdinand passava mais tempo paquerando as garotas do que se dedicando a estudar o Sangue Draconiano e a praticar os Sopros. Era um Drakkar de qualidade muito inferior e, claro, eu não