Pular para o conteúdo principal

Foi para isso que você veio ao mundo


Todos nós, em algum momento da vida, deparamo-nos com questões existenciais. Queremos saber qual nosso propósito, qual o motivo da nossa existência. Muitos de nós acreditamos piamente que devemos ter um propósito, que precisamos estar no mundo por algum motivo maior. No Brit’Hadashah, isto é, a restauração da aliança, ou, como todos conhecem, o novo testamento, Yeshua Ha Mashiach, Jesus, é claro em dizer que não há motivo maior de existir do que o amor do Eterno. O próprio existir, por si só, já é o propósito. Viver e ser feliz. Foi para esse motivo que o Eterno fez a humanidade. 

Com a ideia de que o propósito do Eterno para nós é ser feliz, então a pergunta existencial se altera e se torna: “O que eu preciso fazer para ser feliz?”, pois sendo feliz, estará cumprindo seu propósito de vida. Sendo assim, eu pergunto para você que lê: o que você está fazendo para ser feliz? 

Na nossa vida, temos à nossa frente diversos caminhos. Nem todos eles levam a um momento de felicidade. Muitos têm um trabalho que amam, outros não; muitos estão com uma pessoa que traz felicidade à vida, outros não; muitos estão com uma vida repleta de saúde, outros não. São decisões que moldam nossas vidas e o que você decidir hoje, será você amanhã. Então, novamente eu reformulo a pergunta existencial: “O que você está fazendo hoje para ser feliz?”. Você vê agora que, de um propósito, passamos para ser feliz e, agora, estamos assumindo essa responsabilidade de sermos felizes por nós mesmos. 

Ser feliz é uma questão de escolha. Quantas pessoas você conhece que têm muitos bens, que são famosas, que viajam muito e que são infelizes? Eu poderia citar muitos nomes. Muitos deles já mortos por suicídio. Seria ter muito dinheiro, fama e liberdade para viajar ser feliz? Poderia ser, se eu não conhecesse muitas pessoas, ainda vivas, que não têm praticamente nada, vivem como podem, mas que são incrivelmente felizes. Por isso eu digo: Felicidade é um estado de espírito. É uma decisão sua. E por isso pergunto: o que você está fazendo hoje para ser feliz? 

Pergunte-se: o que você mudaria na sua vida hoje para que você fosse mais feliz? E, depois, pergunte-se: o que você precisa fazer para mudar isso? E, agora que você sabe essas respostas, o que lhe impede de fazer essas mudanças? A mudança depende de que você saia da inércia e dê o primeiro passo.

Leia Mais...

A Saga Draconiana encerra o Arco de Sophie Dupont, depois de 7 anos.

  Depois de mais de sete anos, desde o lançamento de A Saga Draconiana – Sophie Dupont e o Drakkar de Prata , eis que se encerra o arco da história de Sophie Dupont, com o lançamento de A Saga Draconiana – Sophie Dupont e a Mãe dos Dragões . O arco, composto de três volumes, possui um total de mais de mil páginas, e conta a história de Sophie, uma menina adotada cuja vida é caótica, cheia de guinadas e desventuras; porém, em determinado momento, ela descobre que pertence a uma espécie única: Os Drakkars . Descendentes de humanos com os Antigos Lordes Dragões. O primeiro volume, chamado A Saga Draconiana – Sophie Dupont e o Drakkar de Prata foi lançado ainda em 2013, o que faz com que todo o arco tenha levado sete anos para ficar pronto. Um número bastante auspicioso, por assim dizer. E, por isso, é com muito carinho que trago hoje a notícia de que, finalmente, o livro A Saga Draconiana - Sophie Dupont e a Mãe dos Dragões já está disponível. Seja em Livro Impresso ou para Kindle

Você vai morrer. O que você está fazendo sobre isso?

Hoje estou a mais de 2 mil quilômetros de Montenegro, do ladinho de Cuiabá, no Mato Grosso. Nessa viagem de férias, enquanto conversava com um irmão de ofício, por assim dizer, surgiu a questão: “Se você sumisse hoje, a sua comunidade perceberia? Você faria falta?”. Em um primeiro momento, se você pensar e responder que não, pode ir por dois caminhos: o primeiro é o egoísta, pensando que a comunidade não lhe dá valor, não se importa com você; o segundo é o correto, pensando que você não está sendo útil o suficiente para essa comunidade ao ponto de ser sentida a sua falta quando você partir.  O que você tem feito hoje voltado à sua comunidade? O que você tem feito hoje que não é exclusivamente para melhorar a sua própria vida e, talvez, das pessoas da sua família? É muito fácil se indignar vendo a pobreza no continente africano, ou mesmo na Venezuela, onde uma cesta básica está custando 3 salários mínimos e as pessoas estão comendo lixo na rua; mas você se indigna com aquele mendig

Fragmentos Draconianos N1: O Sopro Relâmpago

  Era uma afronta que eu, filho de uma das mais influentes famílias do meio Drakkar, não conseguisse dominar um Sopro de Classe B, como o Sopro Relâmpago . Aquilo era ridículo. Ser um Drakkar Azul era algo que impunha respeito e, não conseguir trazer aqueles relâmpagos para o plano físico na frente dos meus colegas, fez-me parecer um perdedor. – Maldita Margareth – resmunguei comigo mesmo – Com aquele risinho irônico só porque vai disputar a Graduação... – Charles!   – chamou-me Ferdinand, meu colega de quarto. Um Drakkar Verde, boa vida. – O que foi? – inquiri ríspido. Estava descontente comigo mesmo e não estava afim de conversas. – Viu a nova Drakkar? – ele perguntou – Linda. Cabelos platinados até as costas, olhos azuis como o oceano... Balancei a cabeça e segui em frente, ignorando-o. Ferdinand passava mais tempo paquerando as garotas do que se dedicando a estudar o Sangue Draconiano e a praticar os Sopros. Era um Drakkar de qualidade muito inferior e, claro, eu não