Pular para o conteúdo principal

Ansiedade? É disso que você precisa!


A ansiedade é boa, até certo ponto. Ela permite a você prever certos problemas futuros e pensar em estratégias paralelas para não ser pego desprevenido; porém, quando ela passa do ponto, acaba se tornando um problema: o transtorno de ansiedade. E o Brasil é o país com maior número de casos de transtorno de ansiedade no mundo. 

Popularmente, diz-se que depressão é excesso de passado e ansiedade é excesso de futuro. Não vou entrar no mérito da depressão, mas posso dizer, como bom ansioso, que realmente a ansiedade é excesso de futuro. Por isso, a chave do controle dela é o excesso de presente; talvez de ambas. 

Pense nisso; seu cérebro foi feito para, basicamente, duas coisas: guardar memórias e processar dados. Concordamos quando dizemos que o futuro não é uma memória, não é? Porém, ainda assim, você força seu cérebro a ficar guardando memórias de acontecimentos futuros. Confuso? Também o é para seu cérebro. É aquele email que tem que responder, aquele jogo do filho que não pode perder, aquele encontro marcado, aquele lançamento de planilhas ou aquele telefonema que precisa retornar. Todas essas ações futuras são guardadas no seu cérebro como “memórias” e ele fica lhe lembrando delas a todo o momento (excesso de futuro). 

O que fazer então? Esqueça essas ações. Não dê essa função ao seu cérebro, dê essa função à ferramenta que é a melhor amiga do ansioso: a agenda. Hoje você tem agenda eletrônica em qualquer smartphone. Use-a! Mas não confunda com lista de tarefas! Fuja das listas. Uma agenda tem ações e horários definidos para executar aquelas ações. Por isso, agende tudo o que precisa fazer e coloque um despertador e, então, esqueça! A agenda vai lhe lembrar do que fazer, na hora que deve fazer. Vai por mim, sua ansiedade vai quase desaparecer. Viva o presente!

Leia Mais...

A Saga Draconiana encerra o Arco de Sophie Dupont, depois de 7 anos.

  Depois de mais de sete anos, desde o lançamento de A Saga Draconiana – Sophie Dupont e o Drakkar de Prata , eis que se encerra o arco da história de Sophie Dupont, com o lançamento de A Saga Draconiana – Sophie Dupont e a Mãe dos Dragões . O arco, composto de três volumes, possui um total de mais de mil páginas, e conta a história de Sophie, uma menina adotada cuja vida é caótica, cheia de guinadas e desventuras; porém, em determinado momento, ela descobre que pertence a uma espécie única: Os Drakkars . Descendentes de humanos com os Antigos Lordes Dragões. O primeiro volume, chamado A Saga Draconiana – Sophie Dupont e o Drakkar de Prata foi lançado ainda em 2013, o que faz com que todo o arco tenha levado sete anos para ficar pronto. Um número bastante auspicioso, por assim dizer. E, por isso, é com muito carinho que trago hoje a notícia de que, finalmente, o livro A Saga Draconiana - Sophie Dupont e a Mãe dos Dragões já está disponível. Seja em Livro Impresso ou para Kindle

Você vai morrer. O que você está fazendo sobre isso?

Hoje estou a mais de 2 mil quilômetros de Montenegro, do ladinho de Cuiabá, no Mato Grosso. Nessa viagem de férias, enquanto conversava com um irmão de ofício, por assim dizer, surgiu a questão: “Se você sumisse hoje, a sua comunidade perceberia? Você faria falta?”. Em um primeiro momento, se você pensar e responder que não, pode ir por dois caminhos: o primeiro é o egoísta, pensando que a comunidade não lhe dá valor, não se importa com você; o segundo é o correto, pensando que você não está sendo útil o suficiente para essa comunidade ao ponto de ser sentida a sua falta quando você partir.  O que você tem feito hoje voltado à sua comunidade? O que você tem feito hoje que não é exclusivamente para melhorar a sua própria vida e, talvez, das pessoas da sua família? É muito fácil se indignar vendo a pobreza no continente africano, ou mesmo na Venezuela, onde uma cesta básica está custando 3 salários mínimos e as pessoas estão comendo lixo na rua; mas você se indigna com aquele mendig

Fragmentos Draconianos N1: O Sopro Relâmpago

  Era uma afronta que eu, filho de uma das mais influentes famílias do meio Drakkar, não conseguisse dominar um Sopro de Classe B, como o Sopro Relâmpago . Aquilo era ridículo. Ser um Drakkar Azul era algo que impunha respeito e, não conseguir trazer aqueles relâmpagos para o plano físico na frente dos meus colegas, fez-me parecer um perdedor. – Maldita Margareth – resmunguei comigo mesmo – Com aquele risinho irônico só porque vai disputar a Graduação... – Charles!   – chamou-me Ferdinand, meu colega de quarto. Um Drakkar Verde, boa vida. – O que foi? – inquiri ríspido. Estava descontente comigo mesmo e não estava afim de conversas. – Viu a nova Drakkar? – ele perguntou – Linda. Cabelos platinados até as costas, olhos azuis como o oceano... Balancei a cabeça e segui em frente, ignorando-o. Ferdinand passava mais tempo paquerando as garotas do que se dedicando a estudar o Sangue Draconiano e a praticar os Sopros. Era um Drakkar de qualidade muito inferior e, claro, eu não